Esse é o primeiro livro que me lembre de ter comprado só pela capa! Sim, eu confesso, comprei porque achei a capa bonitinha e também porque uma coisa escrita nela, além do nome do livro, me chamou atenção.  Antes de ter o livro em mãos, para poder rasgar o plástico e foleá-lo, nunca tinha ouvido falar dele, ou de sua autora. E também não fazia a minima ideia de sua história. Demorei um pouco para lê-lo, pois estava em uma ressaca literária horrível, mas assim que comecei a ler não consegui parar mais. E mesmo depois de ter terminado-o eu queria ler mais.


Vamos lá, tudo começa em novembro de 1954, quando Penelope a espera no ponto do ônibus é convidada pela desconhecida Charlotte a dividir um táxi. Sem saber o nome de sua parceira de táxi e muito menos para onde estava indo, Penelope logo se vê tomando chá na casa da misteriosa Tia Clare, que ao saber seu nome, disse conhecer seus pais e a casa onde morava. Após o chá, Charlotte e Penelope começam uma amizade e nessa se inclui o primo de Charlotte, filho de Tia Clare, Harry. Ao chegar em casa, a sinuosa Magna Hall, Penelope conta para sua mãe e irmão, que havia tomado chá na casa da tia de uma conhecida, e ao mencionar o nome de Tia Clare, vê que sua mãe mesmo dizendo não conhece-la, a conhecia, ou ao menos já tinha ouvido falar dela.

Quando Penelope esteve na casa de Tia Clare descobriu que essa sempre falava de seu filho Harry, com que estava muito preocupada, pois além de ele estar treinando para ser mágico, ele sempre estava correndo a trás de Marina Hamilton, uma americana rica que estava noiva de outro.

No segundo encontro do trio, que acontece em Magna Hall, Penelope, Charlotte, Harry e Inigo, irmão de Penelope, ficaram um final de semana inteiro sozinhos. E é nesse final de semana que Harry faz uma proposta para Penelope. Nessa proposta ele pede que ela finja ser sua namorada a fim de provocar ciumes em Marina para que ela termine seu noivado e volte para os braços dele. E é aí que Penelope começa a conhecer o badalado mundo jovem de Londres dos anos 50.

"- Mas o que isso importa? O fato é que quando Charlotte apareceu com você para o chá, eu soube que você era a pessoa certa. Tudo em você é perfeito. Sua altura, seu cabelo, sua casa. Todos juntos formam o pesadelo perfeito.
- Espere um minuto! Acho que não estou entendendo. - disse eu, explodindo.
- Você pode me ajudar, Penelope.
- Do que você está falando? - perguntei, cheia de suspeitas, vendo-me em uma caixa de madeira prestes a ser cortada em duas..."

Penelope é jovem que vem de uma família de classe média da Inglaterra. Mas com a guerra e a morte de seu pai, sua mãe se vê em um beco sem saída com uma casa enorme que precisa de muitos cuidados. Vindo de uma escola interna, não tem muitas amizades nas redondezas e ao conhecer Charlotte vê nela o que sempre procurou como amiga. Charlotte é inteligente, bonita e com muita classe. Esses três fatores quase fazem dela a ''It Girl" da época. Harry é misterioso, e confesso que gosto desse ar nele. O relacionamento de Penelope e Inigo, é bem normal. Se dão muito bem e sempre compartilham as coisas um com o outro. Talitha, mãe de Penelope, tem só 36 anos e é considerada uma beldade entre as mulheres de Londres. Ahhh uma coisa que esqueci de mencionar Penelope e Charlotte como qualquer outra adolescente, eram apaixonadas pelo astro Johnnie Ray. 

Uma coisa bem legal do livro que ele usa acontecimentos da época, tipo, o estouro das modas e também os astros do momento. Mas tudo isso na visão britânica de uma adolescente de 18 anos na década de 50. 

O livro é narrado em 1ª pessoa, e eu não ligo muito para isso quando estou escolhendo um livro para ler, só as vezes que acho uma personagem muito chata e que seus pensamentos me dão nos nervos é que realmente me importo com isso, mas não vem ao caso. A Arte Perdida de Guardar Segredos, na verdade é muito prático de ler, não tem aquela linguagem rebuscada que afugentam as pessoas de livros de época, o que é bem legal. Todas os acontecimentos tem um fechamento no livro e como qualquer romance tem um final já esperado. Super recomendo, para pessoas que gostam de romance, Inglaterra e derivados!

Classificação final:





Título: A Arte Perdida de Guardar Segredos
Autor(a): Eva Rice
Páginas: 389
Tradutor(a): Michele Gerhardt
Editora: Record

Beijinhos