Bom pessoas, como vocês estão? Depois de muito tempo (e muita preguiça) vamos voltar com a coluna de games no blog! E o bom é voltar com novidades, certo? Então vamos parar de enrolação e let’s fucking go (sempre quis falar isso, sério).
      Pra galera que curte um FPS (First-Person Shooter), já temos duas logo de cara! Dia 11 de março foi o lançamento oficial de “Titanfall”, jogo produzido pela Respawn Entertainment e publicado pela Electronic Arts. Pra quem não sabe muito sobre a Respawn, ela é uma empresa oriunda dos demitidos da Infinity Ward, essa você já sabe né? NÃO? Sem problemas, a Infinity Ward é uma das três produtoras da franquia “Call of Duty”, agora você já se situou? Pois então meus amigos, a Respawn vem com esse jogo que mistura tiros, granadas, chutes e parkour... SIM, PARKOUR EM UM JOGO DE FPS, e a cereja do bolo que são os temidos Titãs (não, não é a banda... sem essa piada por favor). Essa mistura de início, veio com um certo receio por parte de críticos e fãs do gênero, porém com o lançamento do beta o que se viu foi que a receita sim, deu muito certo. Ela conseguiu fazer o que “Call of Duty” e “Battlefield” não conseguiram com a maioria... fazer a galera, mesmo jogando mal, se divertir. E MUITO! À medida em que você mata seus oponentes (existem tanto players reais, quanto bots controlados pelo próprio jogo), é liberado o seu titã e ele chega do céu para (NOOOOOOOOOOOSSA ALEGRIA) começar à detonar com tudo. Além de tudo, o título do jogo não poderia ter sido escolhido de melhor forma pelos produtores... “Titanfall” significa em uma tradução literal “A queda do titã”... E quem seria esse titã? Sim meu caro Watson, “Call of Duty”... Eles querem simplesmente, DETONAR a franquia de FPS mais jogada em todo o mundo. Mas a dúvida que fica é: E “Battlefield”? Onde fica o FPS da EA/DICE? Os boatos que já correm à um tempo são que a franquia chegaria ao seu final no próximo título da série, “Battlefield 5”, e outros boatos são que uma franquia não será problema para a outra. Isso, só o tempo vai responder (e as vendas também). No outro lado do ringue, a Activision anunciou a mais nova desenvolvedora da franquia de CoD, a Sledgehammer Games, que contribuiu nos títulos “Modern Warfare 3” ou MW3 e em “Call of Duty: Ghosts”. Esse último inclusive, foi o grande (ou talvez não) fracasso da aclamada franquia, por não trazer grandes novidades em relação aos títulos anteriores como “Call of Duty: Black Ops II” e o próprio MW3, isso inclusive foi motivo de revolta por parte dos fãs, pois na feira “E3” no início de 2013, o próprio CEO da Activision (que por coincidência do destino, pediu demissão logo depois do lançamento do Ghosts) garantiu que o jogo traria grandes inovações, e que seria um novo “Call of Duty”... e de novo, só a data mesmo.
      Em outros gêneros, “The Last of Us” game exclusivo da Sony para o Playstation 3, ganhou mais um prêmio (e bem merecido, diga-se de passagem). O último foi ganho no BAFTA Games 2014, onde foi eleito “Jogo do ano 2013”, totalizando incríveis 201 prêmios recebidos. Não é à toa que Joel, Ellie, Tess, Marlene, Tommy e tantos outros personagens irão para as telinhas em breve. SIM! VOCÊ NÃO LEU ERRADO! “The Last of Us” vai virar filme, e já tem até um possível nome para a cadeira de diretor, Sam Raimi. Espero que ele não ferre com essa obra-prima digital.
      Como eu disse no primeiro texto, falar de games às vezes fica complicado, pois você nunca sabe onde parar (COMO ASSIM VOCÊ AINDA NÃO LEU O TEXTO SOBRE “SUPER MARIO”?! CLICA AQUI, OU AQUI! Mas se quiser, pode clicar... não, parei). Mas eu espero que gostem. Críticas, sugestões de temas para os próximos textos e meu endereço para mandar um jogo, é só deixar um comentário que eu lerei com maior prazer. Até a próxima!

Deixe um comentário