Li a alguns anos esse livro e recentemente decidi que valia a pena lê-lo de novo porque estava com saudade desses romances "água com açúcar" e aí me toquei que nunca tinha escrito nada sobre Anna aqui e então estou corrigindo esse erro.

Anna é mandada para a França pelo seu pai, um famoso escritor de livros não tão bons assim, para cursar seu último ano do que nós conhecemos como ensino médio, ela não teve qualquer escolha, ao ser aceita na Scholl of American in Paris (SOAP) seu último ano seria em Paris, a cidade mais romântica do mundo, onde as luzes nunca se apagam, lar dos maiores pensadores do mundo, da Torre Eiffel, do Arco do Triunfo e, principalmente, do romantismo. Mas Anna não se importa com isso tudo, o que ela mais queria era continuar na sua antiga escola, com sua antiga amiga, seu antigo emprego e com seu colega de trabalho, que se tornaria, talvez, um namorado.

Com todo mundo de volta para a suas respectivas vidas ela se vê sozinha em seu quarto até que Meredith vai até lá, se apresenta e a convida para tomar um chocolat chaud (chocolate quente)  e com a amizade de Mer vem também a de Josh, Rashimi e a de St. Clair suspiros e então, a França não parece um lugar tão ruim quanto ela pensava, ainda mais com o Étinne por lá...

A nossa personagem principal começa a se apegar demais ao charmoso St. Clair  eu também e no decorrer da história começamos a perceber que não é só amizade, mas há alguns problemas: ela deixou Toph ( futuro-talvez-namorado) em casa, ou no que antes era a sua casa, St. Clair tem namorada e o mais grave de todos, uma pessoa que é importante para ela também é completamente apaixonada por ele, complicada a situação certo?

St. Clair deita-se ao meu lado respirando pesadamente. Está deitado tão perto que o seu cabelo toca o lado do meu rosto. Nossos braços quase se tocam. Quase. Tento respirar, mas parece não sei mais como fazê-lo. E então me lembro que não estou usando sutiã.


Anna é uma personagem que eu realmente gostei mesmo ela sendo nova é apaixonada por cinema, não é simplesmente um hobbie, com companhia ou sem ela vai ver filmes e isso por s só já é o que importa. Ela idolatra a atriz/diretora/produtora/roteirista Sofia Coppola filha de um renomado diretor de cinema (Francis Ford Coppola), vai ao cinema sozinha ou acompanhada, companhia não é importante, e vê filmes antigos e que já viu milhares e milhares de vezes (lembra até a mim mesma nesse aspecto).

Antes de mais nada, eu tenho que dizer que simplesmente amei o livro, ele é bem aquele tipo de romance água-com-açucar (como eu falei antes), mas que fez com que eu não quisesse parar de lê-lo nas duas vezes, foram quase 300 páginas em dois dias na primeira vez e depois em um só! Ele é super bem escrito e proporciona várias gargalhadas. A autora foi muito feliz em sua obra e os romances, rixas e desencontros se fazem presentes o tempo todo. Anna e o Beijo Francês é uma leitura leve e agradável e que recomendo a todos aqueles que precisam se distrair. 

Um dos pontos negativos do livro é que, o romance não é tão explorado, explicando melhor, tem todo o clima rolando entre eles, mas absolutamente nada acontece, nadinha, nem um beijo! Isso é um saco, mas também é bom porque, creio eu, que foi um dos motivos de não ter conseguido parar de ler, mesmo assim acho que devia ter sido mais explorado. Outra coisa que me chamou a atenção para o lado negativo é que existem várias expressões em francês, relevante já que o livro se passa em Paris, mas elas não tem qualquer explicação no contexto e fui obrigada a parar diversas vezes para poder descobrir do que se tratava, isso seria facilmente resolvido com uma nota da editora.


― Para de olhar!
― O quê?
― Meus dentes. Você está olhando para os meus dentes.


A diagramação do livro é simples, mas um ponto a favor é que os capítulos nunca começam na mesma página. No que diz respeito a capa, eu não sou a maior fã daquelas que apresentam rostos de pessoas, porque de uma forma ou de outra acaba influenciando como vou imaginar a personagem, acho melhor quando eles não aparecem. Ainda falando da capa, estava procurando na internet algumas capas do livro e vi algumas maravilhosas, só não sei se realmente foram usadas (acho que a editora poderia ter se inspirado em uma delas), abaixo estão as que eu mais gostei e a brasileira, que não gostei tanto assim. A segunda capa é da nova edição nos Estados Unidos! De qual mais gostou?





Eu simplesmente amei o livro, mesmo ele sendo um tanto clichê, é um daqueles clichês super bem escrito e divertido. Há mais um livro lançado no Brasil dessa mesma autora (Lola e o Garoto da Casa ao Lado) e mais um por vir (Isla and the Happily Ever After), mas não temos nenhuma data para a publicação aqui.

Um Comentário

Pollyanna Campos disse...

Adoro esses livros românticos e envolventes, por mais que sejam clichês, em sua grande maioria! Amei sua resenha, fez com que me arrependesse de não ter comprado este livro da última vez que estive com ele em mãos! kkkkk Parabéns pela resenha *-*

Beijos
@PollyanaCampos
entrelivrosepersonagens.blogspot.com.br

Deixe um comentário