Neste livro conhecemos a imortal Nastasya, ela já está "andando por aí" há algum tempo e a garota tem certo fraco para festas desde... bem, ela já nem se lembra mais desde quando está vivendo desta forma, mas faz algum tempo. Acostumou-se a viver de acordo com seus desejos imediatos sem muitas preocupações futuras, por isso Nastasya sai todas as noites com seus amigos para se divertirem juntos.

Ahh e ela também não se importa mais com as outras pessoas, depois de viver durante tantos e tantos anos e ver as pessoas que ama morrer uma depois da outra é mais fácil simplesmente se afastar emocionalmente de todos. O problema com esse estilo de vida é que Nasty nem se lembra da última vez que pode dizer que estava feliz, claro que ela tem momentos de alegria, mas todos acabam se misturando uns aos outros depois de algum tempo e a felicidade real lhe parece uma coisa distante e difícil de alcançar.


E depois de perceber o quão frívola era vida que vinha levando esse tempo todo, ela decide se mudar e deixar tudo e todos que conhecia para trás e tentar conseguir algum tipo de felicidade e por isso vai para uma clínica para imortais que podemos considerar rebeldes. Lá ela acaba descobrindo outras pessoas que, assim como ela, querem um recomeço, aprende bastante sobre seu passado e descobre como usar o magick (nome dado ao poder que eles tem) melhor.

Como disse esse é o primeiro livro de uma trilogia, por isso ele é um pouco detalhista e mais lento (principalmente no começo) para podermos ter contato e aprender mais sobre todo esse universo de imortais problemáticos criado por Cate, mas isso não faz deste primeiro ruim. Outra coisa que conta pontos a favor do livro é que não estamos falando de um vampiro, lobisomem ou outras criaturas que costumamos ver, Nasty é imortal e ponto.



A obra é repleta de flashbacks, para que possamos entender melhor a personagem central, eu não gosto de livros que não seguem uma linha de tempo contínua, mas não tenho absolutamente nada contra flashbacks durante algumas passagens do livro para que possamos conhecer o passado da personagem, acho até muito interessante, mas isso tem que ser feito de maneira que não confunda a cabeça do leitor para que ele possa ficar pensando "bem, onde é que eu estou agora, passado ou presente?". O fato é que todas as memórias foram muito bem utilizadas neste primeiro livro e eu até quero que continuem aparecendo nos próximos dois volumes.




Já que estamos falando de alguém que nasceu em 1551, Nasty não é alguém que está descobrindo sobre sua imortalidade e o que isso significa, outra coisa bem diferente da maioria dos YA's que leio e envolvem criaturas cujas vidas não terão fim. Nastasya tem a dimensão de o que significa ser alguém que viverá para sempre, principalmente quando se está rodeada de mortais.




Elogios à parte, o livro é muito bom mesmo e mereceu todos os pontos positivos pontuados acima, mas não posso esquecer de comentar o que me desagradou. A leitura é realmente muito lenta e até me acostumar ao "ritmo" do livro foi um pouco demorado já que "ação" não é uma palavra que usaria na descrição dele. Também fiquei meio frustrada com o não desenvolvimento de uma certa circunstância. No que diz respeito a isso a autora deu uma enrolada e deixou para o próximo volume.




Vocês devem estar se perguntando "Jessie, mas e o romance?" sim, tem romance no livro, claro, mas ele não me conquistou, para falar a verdade eu achei bem mal explorada a relação, simplesmente não acho nada de Reyn até agora porque as aparições do sexy imortal quase me passavam desapercebidas. Definitivamente não é um casal que tenha me encantado logo de cara, mas quem sabe não seja melhor no segundo.




Sobre essa capa eu preciso comentar que ainda não decidi se a amo ou tem muitos elementos. O fato é: ela chama muito a atenção. Para aqueles que nunca tiveram contato com o livro saibam que esta capa tem aquele efeito emborrachado que muitos de vocês adoram. 




Quando leio resenhas que trazem pontos que podem me atrair e outros que podem querer me fazer desistir do livro, sempre opto por dar uma chance ao livro e essa é a minha dica para vocês, mesmo sendo lento e não ter um foco muito legal no romance eu gostei do livro. O segundo livro já foi lançado pela Galera Record e o terceiro já tem nome Inimigo Sombrio.



Título: Amada Imortal | Série: Immortal Beloved | Páginas: 280
Autor(a): Catie Tiernan | Tradutor(a): Regiane Winarski | Editora: Galera Record
 

Deixe um comentário