[RESENHA] Os Bedwyns #2: Ligeiramente Maliciosos

11/17/2015 Aninha Goulart 0 COMENTÁRIOS

Oi pessoal, hoje eu estou aqui para contar para vocês o que eu achei sobre Ligeiramente Maliciosos, o segundo livro da Serie Os Bedwyns.

Demorei um pouco para ler o livro, porque depois de Ligeiramente Casados eu queria desesperadamente ler o livro do Conde de Bewcastle (por uma questão de honra sabem? Queria saber por que ele é tão exigente com tudo), mas o livro é sobre Lorde Rannulf e eu relutei em ler por ser estranha mesmo rs. Mas vamos ao que interessa não é mesmo?

Judith Law vê sua vida mudar completamente quando tem de ir morar com os tios porque o pai encontra-se em uma situação financeira difícil. Seu destino agora é ser a parente pobre que foi acolhida e que é um pouco mais do que uma criada, é quando esta divagando sobre um futuro repleto de fantasias românticas que jamais aconteceram que a diligencia em que Judith se encontra tomba, e quão surpresa ela se vê ao ter a sua frente a possibilidade de realizar a  um sonho que lhe fora roubado? 

Um cavalheiro passa pela estrada algum tempo depois de a diligencia ter tombado e oferece uma “carona” para Judith em seu cavalo, para que eles possam chegar na próxima cidade e pedir ajuda para os demais membros da diligencia, em uma decisão inesperada até para ela mesma, Judith aceita o convite do  Sr. Bedard, mas para proteger a si mesma ela alega ser Clarie Campbell, uma atriz a caminho de um teatro, e envoltos em um momento de paixão eles se entregam a uma incrível noite de amor.

O que nem Clarie e nem o Sr. Bedard esperavam, é que fossem se encontrar em seus respectivos destinos e com suas verdadeiras identidades relevadas, pois Judith descobre que na verdade o Sr. Bedard é Lorde Rannulf Bedwyn, que está na casa da avó para conhecer uma pretendente a noiva , a prima de Judith, Julianne. E Rannulf descobre que Claire Campbell a atriz jamais existiu, e que  é a Judith prima de Julianne.

Em uma temporada de eventos e com muitos parentes esperando que Lorde Rannulf faça a corte a Julianne, Judith se vê obrigada a conviver com a presença daquele que ela imaginava ser o herói de seus sonhos, e que nunca mais fosse vê-lo novamente. O que estes encontros os reservam? Quão dura as conseqüências da noite de amor que eles compartilharam podem ser?

Admito que tive muita dificuldade em começar o livro, pois realmente não queria ler o livro do Rannulf agora, e quando finalmente me obriguei a começar a ler, vi com uma enorme preguiça de seguir com a leitura, pois a principio para mim o Rannulf era um playboy antigo (Aninha não existiam playboys naquela época, vocês entenderam a referencia né? Basta), que queria fugir das exigências da avó para que se casasse. 

No inicio do livro ele realmente é um chatinho, que quer que as coisas ocorram sempre do jeito dele, mas na verdade é só uma fachada que encobre os princípios de honra que o regem (assim como a todos os Bedwyns), e aí ele vai se mostrando ser um homem incrível, que realmente passou muito tempo fazendo besteiras, mas que sabe o que é ser um homem e o que ele precisa fazer para que todos vejam o homem que ele realmente é.

Judith é uma garota forte, que não quer e não aceita ser subjugada, exceto pela tia, pois ela entende que tem de obedecer a tudo que a tia exige uma vez que está na casa dela de favor, são nestes momentos que nos vemos certa morte da personagem, quando a tia e a prima mandam e ela obedece de cabeça baixa, ela tem uma noção de respeito e de agradecimento muito grande, então na cabeça dela tudo quanto for possível ser feito para que ela recompense a generosa hospedagem da tia, será feito. 

É quando ela se encontra com Rannulf que sua determinação e personalidade aparecem, pois abaixar a cabeça para alguém que a esta sustentando (como é o caso da tia) é aceitável, mas um homem que mentiu para ela e com o qual ela teve uma relação, isto não é aceitável. E toda a grandiosidade da personagem aparece nestes momentos, onde ela é ela mesma, em que ela se permite ser, pois não deve obrigações.

Temos também os personagens secundários que são muito bem escritos e chamam bastante atenção também: Julianne Effingham que é a própria descrição do ser insuportável, que só vê a si e suas aflições, que só se importa com um lugar na alta sociedade londrina e que deseja um casamento afortunado que lhe proporcione visibilidade na sociedade; Tia Effingham, uma senhora que é um retrato piorado da filha, que passa por cima de quem quer que seja para realizar as vontades e caprichos da filha. 

Horace Effingham enteado da Sra. Effingham, e é um rapaz de aparências que finge ser um perfeito cavalheiro e um ótimo amigo, quando na verdade só é regido por seus próprios interesses sórdidos (Para mim ele é um porco cretino que merecia uma morte lenta e dolorosa); Temos as avós tanto de Judith quanto de Rannulf que são duas senhoras SENSACIONAIS  que fazem com que você queria uma vózinha assim, com todas as maluquices e exigências e que você irá amar incondicionalmente.

A história depois de umas 20 paginas prende muito e te faz ler desesperadamente, todos os personagens são bem escritos e te causam um suspense daquele tipo “preciso correr e ler para saber o que ele vai fazer”, tive um problema muito grande de tremedeira e coração disparados em determinados pontos da história (e são muitos!), por que quando você pensa “ok é agora que as coisas se acertam e vem o felizes para sempre”, mas vem uma reviravolta e você começa a tremer de novo (eu parecia que estava com Parkinson).

De uma forma surpreendente e encantadora terminei o livro completamente apaixonada por Rannulf e Judith e todos os que os cercam, com muita vontade de ler logo o livro da Freyja, que é a próxima Bedwyn da lista. Tenho muita esperança de que o livro seja igualmente apaixonante pois, pelas aparições que Freyja fez nos primeiros livros da serie a história dela será, no mínimo, empolgante.


Título: Ligeiramente Maliciosos | Série: Os BedwynsPáginas: 288 | Autor(a): Mary Balogh Tradutor(a): Ana Rodrigues | Editora: Arqueiro

0 comentários: