Essa resenha é uma daquelas para fazer vocês morrerem de ódio. Hoje eu decidi falar sobre um livro maravilhoso da Vi Kelland, primeiro de uma série de atletas de tirar o fôlego. Por que vocês vão querer me matar? O livro está em pré-venda pela Editora Charme e só vai ser lançado em maio.

Desculpem, é que depois que eu li a série MMA Fighters, eu não consegui sair do frenesi esportista e tive que forçar meu inglês fajuto para ler sobre ASTROS DA NFL! Mas vamos largar o espírito de líder de torcida e ir para o que interessa, o livro.

Na primeira vez que encontrei Brody Easton ele estava no vestiário masculino. Foi a minha primeira entrevista como jornalista esportiva profissional. O famoso quarterback decidiu me mostrar tudo. E, por tudo, não quero dizer que ele me disse algum de seus segredos. Não. O idiota arrogante decidiu deixar cair a toalha quando fiz a primeira pergunta. Na frente da câmera. E o famoso ganhador do Super Bowl rapidamente adotou um novo hobby: me provocar.

Quando o afastei, ele desistiu de só me provocar e resolveu que queria transar comigo. Mas eu não saio com jogadores. E não é porque sou uma das poucas mulheres que trabalham no mundo do futebol profissional. Eu posso namorar um jogador. É outro tipo de jogador que eu não namoro. Você conhece o tipo: boa aparência, forte, arrogante, sempre querendo ficar com alguém.

Brody Easton era um verdadeiro jogador. Toda mulher queria ser a que iria mudá-lo. Mas a verdade era que tudo que ele precisava era de uma garota por quem valesse a pena mudar. De repente, eu era essa garota. Simples, certo?

Vamos encarar, nunca é. Há uma história entre o era uma vez e o viveram felizes para sempre...

E esta é a nossa.


--


Delilah
 Maddox é uma repórter que sofre para se manter num meio dominado por homens, o esporte. Em sua primeira grande matéria, televisionada para o todo país, o astro da NFL e incrivelmente idiota Brody Easton decide ser mais um dos homens que acha que lugar de mulher é em qualquer lugar menos em um vestiário (ele teve problemas com uma outra reporter que foi entrevistá-lo na última temporada) e por pura diversão acaba soltando sua toalha e ficando nu no meio da entrevista só para testar sua reação. 

Eu tenho problemas com personagens masculinos estereotipados que maltratam a mocinha para chamar sua atenção, o mundo já  cheio disso para a gente continuar corroborando com esse tipo de atitude, mas a Vi Kelland consegue redimir o rapaz. 

Brody é um jogador, dentro e fora do campo. 
E Delilah não tem tempo para jogadores, ela já perde muita energia tendo que lidar com um bando deles em seu emprego e ela quer ser grande.


Mais de trinta jornalistas foram entrevistados para a minha nova posição como narradora na transmissão da equipe de futebol da World Media. Mas era eu que ia conversar com os jogadores esta noite no pós-jogo, não eles. Isso não me fez muito popular em torno do conhecido bebedouro.
Mesmo que eu tivesse trabalhado oitenta horas por semana nos últimos anos para chegar onde eu estou, os homens que trabalhavam trinta foram os primeiros a culpar a minha boceta de ouro por meu sucesso. Danem-se eles.

Apesar da primeira péssima impressão, Brody é um cara legal, um pouco cheio de si, mas com um coração enorme. Todas as mulheres o querem, seja pela sua profissão ou pelo seu charme irresistível, mas não Delilah. Após o primeiro encontro, ele começa a fazer tudo para chamar a atenção dela, muitas vezes não de maneira muito limpa, o que torna a história bem divertida.

Uma das cenas que eu mais gosto é quando o Brody marca uma entrevista com Delilah no seu quarto de hotel, vai tirar uma soneca e a deixa lá plantada o esperando só para ela perder o encontro que ela tinha marcado com um cara que ele odeia.

Delilah Maddox é toda esporte, além da sua profissão como jornalista esportiva, seu pai foi um jogador consagrado da NFL. Com uma barreira enorme envolta dela, Brody vai ter muito trabalho para se envolver com ela, que tá longe de ser aquela mocinha super insegura, imatura e chata que a gente está acostumada a ver nos livros. Delilah é muito bem resolvida, tem uma meta em sua vida e apesar do coração partido, ela não fica se lamentando pelo último relacionamento, ela só aprendeu a sua lição.

A espirituosidade dos personagens é o que deixa o livro bem leve, divertido, daqueles que você pega e não larga mais até acabar. Você vai perder muitas risadas do início ao fim. Todos os personagens têm seus momentos o que é ótimo, um dos secundários que eu mais gostei foi a melhor amiga de Delilah, Indie, é uma gerente de marketing completamente criativa e pirada.


—Você sabia que seu apelido é Subway?
Eu olhei.
—Ninguém o chama de Subway na imprensa.
—Ahh. Não é o apelido da imprensa.
Eu era cética, mas eu mordi a isca dela de qualquer maneira.
—Quem chama ele de Subway, então?
—Mulheres.— Indie balançou as sobrancelhas. Seu batom vermelho brilhante era um tom mais claro do que seu cabelo cor de fogo. O look funcionava perfeitamente para ela, embora fosse difícil concentrar em qualquer coisa além de seus lábios coloridos contra sua pele pálida.
—Porque ele é originalmente do Brooklyn e pegava o metrô para visitar as mulheres?
—Não. Mas este não é um palpite ruim.

Apesar de toda a fama, ninguém realmente sabe muita coisa de Brody. Ele faz questão de deixar sua vida privada, assim, privada. E é justamente sua vida privada que vai ser o obstáculo na vida do casal. Brody tem um laço forte com sua ex-namorada, Willow, mesmo que não saiba nem mesmo se ela está viva ou morta. Quando ela retorna para sua vida, a relação dele com Delilah sofre.

Mas não espere um livro denso, O Jogador é pura diversão, mesmo com o toque de drama no final, é aquele tipo de livro que não te faz pensar muito e tem tudo na medida certinha, romance, drama, sexo, boas tiradas e personagens encantadores. E o epílogo é a coisa mais fofa e emocionante do livro. E se você quiser saber por que, corre para o link lá no começo da resenha e garanta já o seu.


Título: O Jogador | Série: Down and Dirty #1 | Páginas: 304 Autor(a): Vi Kelland  | Editora: Editora Charme


6 Comentários

Grazi Moraes disse...

Oie amore,
Não conhecia essa belezura até o momento, mas gostei do que vi por aqui... Muita coisa junto num único livro hein... Deu vontade de ler ainda agora!
Parabéns pela resenha, e os quotes muito bem escolhidos!
Beijoka!

Tayres Meneses disse...

Não conhecia a obra. E conhecendo não me interessei, foi tipo "ah, legal!". Embora sua resenha tenja um ar de entusiasmante. Gostei de sua resenha, mas do enredo em si foi tipo "eu ein!" rs

|amorlivresco.wordpress.com|

Giovana Soares disse...

Oii, tudo bem?
Eu sou apaixonada nos livros da Vi Keeland, acho a escrita dela bem fluida e os personagens inesquecíveis. Eu adorei a premissa desse novo livro dela, nunca li nada em que girasse em torno do futebol, somente do MMA, então estou bem curiosa para realizar a leitura.

Livreando disse...

Conheci a escrita da autora através da série MMA e gostei bastante. Personagens com tiradas divertidas, diálogos envolventes e conteúdos na medida certa são algumas características que também notei na série que li, então, provavelmente irei conferir O Jogador também.
Bjim!
Tammy

Rafaelle Vieira disse...

Oi, tubo bem!
Eu adoro os livros da autora e estou super ansiosa para ler esse novo lançamento! Gosto de histórias no estilo e acho que a leitura vai me agradar bastante. Em breve pretendo me jogar nessa leitura também!

Beijos,

Rafa [ blog - Fascinada por Histórias]

Isabela Carvalho disse...

Oi oi!
Ja conhecia a autora pela série MMA Fighter, que sempre tive vontade de ler, e Bossman, que li e amei, super engraçado! Indico demais
O Jogador eu já tava de olho pra ler, e agora vai ser lançado aqui *-*
Amo livros que tem diversão e um toque de drama!
São ótimos pra curar ressaca literária kkk

Deixe um comentário