[RESENHA] As 100 Piores Ideias da História

5/11/2017 Tiffannyk 2 COMENTÁRIOS

Foto por Booksandbirds
A resenha de hoje não tem romance, não tem drama, intrigas de famílias nem nada que a gente tá acostumado a ver aqui no blog (pelo menos não de forma óbvia). Ela é para você, que como eu, tem uma alma bastante curiosa.


As 100 Piores Ideias da História é um compilado de histórias divertidas e insanas, daquele tipo que a gente sempre quis saber. Não sei se já falei aqui (ou você teve a curiosidade de olhar lá na página da equipe), mas eu sou publicitária, o que pode ser traduzido como "criatura curiosa que consome muita informação e vira a sabichona do grupo", por isso quando vi esse livro eu tive que tê-lo para mim.

Em forma de anedotas o livro trás histórias sobre política, cultura popular, moda, esportes, tecnologia, showbiz de uma forma divertida, criativa e um tanto espirituosa. Criado depois de uma extensa pesquisa (que muita gente diria ser inútil) de dois profissionais de comunicação, Michael N. Smith e Eric Kasum, publicitário e jornalista respectivamente.

Impulsionados pela curiosidade, que citei ali em cima, eles decidiram juntar num lugar todas as histórias por trás daquelas perguntas que as vezes atingem a gente: "como isso começou?".

O QUE ESSA GENTE TEM NA CABEÇA? Existem joias lapidadas da burrice humana que são de valor incalculável. Verdadeiras obras-primas da imbecilidade. [...] São ideias de uma idiotice colossal, constrangedora e muitas vezes risível que saltaram das sinapses em curto-circuito de alguns cérebros mais brilhantes (ou, digamos, mais opacos) do mundo, agora devidamente catalogadas aquo como As Piores Ideias da História.

O livro é divertido, com uma leitura fácil e imagens bem engraçadas. Você encontra de tudo, desde coisas que não fazem sentido algum, como explicações para coisas da nossa cultura e dia-a-dia. Todas as histórias são divididas por seis tópicos: O gênio por trás dela, a sacada aconteceu, o resumo da ópera, de mal a pior, deu no que deu e reflexões posteriores.

No mundo de Hollywood, com seus chafarizes de água mineral gasosa, ternos de 3 mil dólares e tiradas do tipo "minha massagista vai ligar para a sua", dizer sim a uma proposta é uma atividade de alto risco. Se o filme afundar, você pode perder o emprego (a massagista, então, nem se fala). Por isso, não é nenhuma surpresa que praticamente todos os estúdios que se prezem tenham uma única palavra a dizer a George Lucas quando ele os visitava para exibir seu modesto filminho de ficção científica com o tímido nome de Star Wars - e que essa palavra seja um redondo, um sonoro, um gigantesco NÃO!

O livro tá todo dividido por assuntos relacionados, e como não foi escrito de forma linear, você pode ir da página 10 para a 100 e entender tudo, aliás, o índice dos capítulos é muito bem feito e fica tão fácil surfar pelo livro como usar o control+f do computador.

Lois, um menino francês de três anos de idade, está brincando com um furador pontiagudo. Má ideia. Sem querer, ele fura o olho, causando uma infecção que o deixa totalmente cego. Mas esse infeliz acidente de infância inspira Louis, agora com 13 anos, a usar o mesmo tipo de furador que causou sua cegueira para criar um sistema de leitura de pontos em relevo perceptível ao tato que ganha aceitação absoluta e hoje leva seu mundialmente famoso sobrenome: Braille.

Eu me diverti muito lendo, o livro é muito bem diagramado, bonito, a tradução da Heloísa Leal (que deve ter sido bem difícil porque o livro tem várias expressões idiomáticas) é muito bem feita. Tem histórias que não são nenhum pouco engraçadas, que pessoalmente acho que não mereciam estar ali, mas o saldo das histórias é bem positivo, a única crítica que tenho sobre o livro é o de ser feito em papel OffSet (aquele branquinho), mesmo que a fonte fosse de fácil leitura, como li a maioria dele num ônibus, a leitura foi um pouco dificultada pelo papel. Tirando isso, o livro é muito legal, vale a leitura e tá quentinho no catálogo da Valentina. Então não percam tempo e vão ler e dar boas risadas.


Título: As 100 Piores Ideias da História | Páginas: 253
Autores: Michael N. Smith & Eric Kasum | Tradutor(a):  Heloísa Leal
Editora: Valentina

2 comentários:

Gostei muito da capa do livro e as histórias então fiquei bem ansiosa para conhecer, já tinha visto o livro nas redes sociais só vi a capa mesmo é gostei.
Até mais!!!

Oiee meninas! Não conhecia o livro, mas já curti pelo título, confesso hehehehe e adoro livros assim mais divertidos e descompromissados <3 adorei a dica

Bjs, Mi

O que tem na nossa estante