[RESENHA] Vacas

12/07/2017 Aninha Goulart 0 COMENTÁRIOS



Oiiii seus lindos, hoje vim contar um pouquinho para vocês sobre uma obra que está dando o que falar e que já conquistou muitos (inclusive eu!) por aí: Vacas. Esse livro feminista incrível que foi lançado pela HarperCollins Brasil  e que me conquistou assim que li a sinopse, foi instantâneo: quando descobri do que se tratava também decidi eu precisava lê-lo! Então cá estou para contar para vocês um pouquinho da história.


Aqui as mulheres são comparada com aquilo que comumente xingam umas as outras (ou serem xingadas!): VACAS. Mas isto tem um sentido mais literal  também, elas são "um pedaço de carne; feito para reproduzir; além da sua data de vencimento; parte do rebanho.” No entanto, ao invés de reforçar este tipo de esteriótipo, o livro traz uma lição muito interessante de que as mulheres não tem que se encaixar em quaisquer padrões.

Neste contexto conhecemos Tara, Cam e Stella, três mulheres que vivem suas vidas da melhor forma possível, mesmo tendo dificuldades de encarar o que veem no espelho quando a sociedade berra que devem ser de um jeito pré-determinado. Alguém aí já se identificou com os dramas delas além de mim?

E por consequência de um evento espantoso, as três protagonistas acabam se conhecendo e é quase que inevitável que não nasça ali uma amizade muito interessante, pois a catástrofe que as uniu também faz com que cada drama  história vividos, os quais são bem peculiares, se tornem inspirações para elas.

Vacas propõe um debate importante e necessário, e mostra para todas as mulheres que não há nada de errado em “não seguir o rebanho” e que é mais comum julgarmos umas as outras e, principalmente a nós mesmas, do que paramos para refletir sobre o motivo de estarmos fazendo determinada coisa.

Não sei nem por onde começar a descrever este livro porque, gente, O MUNDO PRECISA CONHECER ESSA OBRA! As coisas que nós mulheres vivenciamos discretamente ou não em nosso dia-a-dia são tão claras que chega a causar revolta, eu ia lendo e pensando “ei já passei por isso” ou “nossa já vi isso acontecer com fulana” e por pior que seja admitir “já fiz isso com alguém”.

A maneira como Tara, Cam e Stella enfrentam o mundo simplesmente para ser aquilo que elas querem ser foi inspiradora para mim. Óbvio que existem fatos total e completamente revoltantes na história, e por mais ruins que eles seja são no papel, são mil vezes pior porque são reais, coisas que não posso falar porque do contrário acabo falando o que não deveria rs.

Vou falar um pouco sobre alguns fatos e personagens da história que são impossíveis de não comentar, mas ao mesmo tempo não vou estragar as surpresas que as páginas da obra te reservam (surpresas estas que julgo necessárias!), e eu desejo que todos que forem ler tenham a mesma sensação que eu, vou contar o que achei das três personagens principais.

Começando por Tara, uma mulher que trabalha na TV, onde diariamente vê seus méritos sendo diminuídos por causa de homens que não fazem nem metade do que ela faz, para, além disso, é mãe solteira e julgada a todo o tempo por isto, mas na maior parte do tempo ela encara tudo de frente sem medo de ser quem quer ser. Pra mim foi a melhor personagem do livro, não só pela história dela, mas de uma forma geral foi à personagem que mais me cativou e que me fez querer devorar o livro pra saber onde a história dela ia chegar e como ela ia encarar as coisas.

Cam é uma blogueira famosa que enfrenta a família todos os dias, porque na casa dela as mulheres são criadas para não ser nada mais do que mães de família, no entanto constituir família e ter filhos são coisas que passam longe dos objetivos dela. Sabem aquelas reuniões de família em que a primeira pergunta é “e os namoradinhos?”, basicamente é esta a realidade de Cam, mas a maneira como ela mostra ao mundo sua voz, até certo ponto sem medo de dizer o que quer (porque no fundo ela se priva de algumas muitas coisas por causa da maneira como os seguidores podem ver ela), não foi a melhor personagem do livro, mas gostei dela em diversos aspectos.

E agora Stella deixei ela por ultimo por motivos de: ela me irritou total e completamente o livro quase todo. Stella tinha uma irmã gêmea que era a parte badalada da vida, a popular, a que tinha muitos amigos e por aí vai, e de uma maneira geral Stella seguia na aba da irmã e fazia sucesso por conta dela, quando ela perdeu a irmã o mundo veio a baixo. Gente sofrer a perda de um ente querido é normal, é inclusive necessário porque a dor precisa ser sentida, mas a essa personagem meio que para a vida dela por conta disto, e pra mim ela acaba ficando meio louca, no inicio do livro foi difícil de mais ler as partes dela e admito que quase pulei alguns pedaços porque ela é chata (!!!), não que ela não seja importante para a história, porque cada uma tem sua função ali, mas pra mim se não tivesse a Stella eu teria lido tudo bem mais rapidinho.

Tirando a Stella, o livro é simplesmente incrível! Com uma escrita fluida, uma edição maravilhosa em folhas amareladas e uma capa que me deixou simplesmente APAIXONADA (sobre ali na imagem do livro e repara bem)! Serio gente, quem ainda não leu precisa ler, é um tema de extrema importância e tratado de uma maneira tão fácil que é impossível não se encantar.







Título: Vacas Páginas: 349Autor(a): Dawn O'Poter 
Tradutor(a):  Marina Schnoor | Editora: Harper Collins

0 comentários:

Obrigada por compartilhar conosco a sua opinião