[AUTOR DO MÊS] Entrevista com Beatriz Cortes




Oi gente! Continuando com a coluna do Autor do Mês (se você perdeu os outros posts de autor do mês é só clicar aqui) que esse mês conta com a participação da Maravigold Beatriz Cortes e trouxemos uma entrevista para que vocês possam conhecê-la melhor!

1- Oi Bhya! Primeiramente muito obrigada não só por nos conceder esta entrevista e por aceitar ser a nossa autora do mês de junho. Você pode contar pra gente como nascem as histórias dos seus romances?
Oi, o prazer é meu! Obrigada pelo convite! Então, meus romances nascem inspirados, principalmente, no tema que escolho abordar. Depois de planejar o que quero com o livro, tento encontrar algo que se encaixe bem, para que a história seja contada de uma forma que eu consiga alcançar o tema principal. Meu foco é sempre trazer algum tipo de reflexão aos leitores.

2- Aonde Quer Que Eu vá é um romance que ambientado dentro das Olimpíadas de Sidney. Conta pra gente como foi a sua pesquisa pra escrever esta obra?
Conheci pessoas incríveis e que me ajudaram muito durante os anos em que escrevi esse livro. Conheci pessoas da área, pessoas que trabalham com isso e li muitos artigos sobre o assunto. Eu sempre gostei dos Jogos Olímpicos, mas nunca havia realmente parado para percebê-los de verdade. Existe muita coisa por trás, na vida dos atletas, a preparação para aquele momento, o sonho, etc., muitas coisas que não nos damos conta. Foi um dos meus trabalhos mais especiais e marcantes, com toda a certeza.

3- Você tem algum ritual para conseguir escrever (escutar música, falar com alguém ou coisas do tipo)?
Normalmente, gosto de escrever sozinha e em silêncio. Costumo ouvir música somente em alguma cena que considero especial. Mas, principalmente, gosto de ter esse processo sozinha.

4- suas histórias sempre tem um tema delicado (estupro, câncer no cérebro, esclerose múltipla) e são tratadas sempre de uma maneira importante sem ser dramático de mais, conta pra gente a importância e o que te motivou a tratar destes temas nas suas obras?
Eu gosto de escolher temas que considero relevantes nas histórias, para que elas possam trazer algum tipo de reflexão. Muitas vezes, o drama é importante para emocionar o leitor, mas não penso especificamente nisso. Gosto que, depois que o leitor acaba de ler o livro, que ele se lembre do que aquilo o provocou. Seja rindo ou chorando, gosto de saber que ele vai lembrar da mensagem principal do livro, vai conhecer situações comuns pelas quais não passou, mas poderá passar um dia. Vai discutir temas importantes para a sociedade, como a qualidade de vida, segurança, justiça. Esse é meu principal intuito. Quero que o leitor se identifique com a história, ou compreenda situações que, muitas vezes, temos medo de falar sobre.

5- Seus livros fazem a gente chorar (e muito) então a gente quer saber: se você também sofre escrevendo?
Eu sempre sofro. Aonde quer que eu vá me faz sofrer até hoje! Eu sofro para começar, sofro quando preciso falar de algo difícil, sofro quando termino e sofro, principalmente, quando o leitor sofre também. Sou sofredora de carteirinha!

6- Seus livros sempre tem parâmetros de amizade extremamente fortes, quais são as suas referências para criar estes vínculos?
Acho que, depois da família, as pessoas que escolhemos manter por perto são de extrema importância na nossa vida. Somos influenciadas por elas, sofremos por elas e as amamos como se fossem do nosso sangue. E, por isso, quando algo ruim acontece com esse outro, a dor parece estar dentro de nós. Uma amizade pode te fazer crescer indiscutivelmente, porém, pode te afundar da mesma forma. Muitas vezes, escolher quem deve ficar por perto é uma tarefa mais difícil do que deixar o outro ir.

7- Nós sabemos que Meu Doce Azar vai ter continuação. Da pra contar alguma coisa sobre o próximo livro e se tem algum outro projeto vindo por aí?
Claro! Em Minha amarga sorte, continuo contando a história de Alice, tão azarada quanto em Meu doce azar. Porém, nesse livro, uma situação difícil vai testar suas amizades, sua família e, por consequência, seu relacionamento. Espero que o leitor se divirta! Estou também com meu primeiro livro lançado na Amazon, Através dos teus olhos. É um romance dramático, com personagens lindos! É uma história cheia de altos e baixos e tenho certeza que quem tiver a oportunidade de ler, vai se emocionar! E, para finalizar, estou com outro chick-lit no Wattpad. Se chama Manual para deixar de ser trouxa, é uma comédia romântica e posto um capítulo por semana. O diferencial desse livro é que o leitor vai me ajudar a escrevê-lo. No final de cada capítulo tem uma enquete, que me ajuda a escolher o próximo passo do personagem.

8- Existe algum tema que você queira ainda abordar nos seus livros, mas que ainda não fez? Se sim, por favor conte pra gente qual.
Tenho dois livros em andamento. Um sobre a segunda guerra, e outro voltado para doenças neurodegenerativas. Mas só posso dizer isso rsrs.

9- Existe um tema que você queira muito tratar em seus livros, mas que acha extremamente difícil abordar?
Sim. Suicídio assistido. É um tema polêmico dentro da bioética e acredito que no geral também.

10- Como é que as suas relações e as suas experiências te ajudam a compor seus personagens?
Acho que a psicologia me ajuda muito a entender as situações e aprender sobre elas. A vida das pessoas me inspira, as experiências que vivencio no dia a dia do hospital, da clínica, nas conversas. O sofrimento humano me ajuda a ser sensível ao outro, e isso é nítido em todos os meus personagens e histórias.

11- Conta pra gente quais seus autores e livros favoritos?
Essa é sempre difícil de responder. Vou citar alguns.
Madame Bovary – Gustave Flaubert
Harry Potter – J.K. Rowling
Quero ser Beth Levitt – Samanta Holtz
A escolha – Nicholas Sparks
As Memórias Perdidas de Jane Austen – Syrie James
A arte de amar – Erich Fromm

12- Sabemos que uma das inspirações para a criação do Rafael foi o Ed Sheeran, mas e quanto à personalidade EXTREMAMENTE apaixonante dele? Foi inspirada em alguém ou é algo que você compôs dentro do que você achava que iria conversar com a história?

Rafael é um dos meus personagens masculinos preferidos. Claro, o Ed Sheeran ajudou a compor porque sou extremamente fã do cantor, mas quanto à personalidade dele, eu queria que ele fosse o mais real possível. Apesar de ser extremamente educado, atencioso e fofo, Rafael erra, mente, tem defeitos como qualquer outra pessoa. A coisa mais bonita nele, para mim, é sua humildade. O fato de que, apesar dos erros, ele luta para consertá-los.

13- Suas obras de uma forma geral sempre mostram uma família que se apoia e que é realmente um objetivo de vida para quem ler. Como foi escrever uma família tão desestruturada como a do Nicholas de Por Uma Questão de Amor?
Nicholas é um personagem que é problemático por consequência. Como psicóloga, sei que a família é a base de qualquer ser humano, é à base da estrutura de nossa personalidade. Sempre falo isso para os pais dos meus pacientes. O que você ensina para o seu filho, vai influenciar quem ele será no futuro. Nicholas não teve o amor, atenção, apoio que precisava durante a vida, e por isso sofreu tanto com essas consequências. Falar disso é falar de algo comum na sociedade em que vivemos, falar de algo real, onde as famílias estão ficando cada vez mais desconectadas, inexistentes. Infelizmente é uma realidade, e acho que todo mundo deveria pensar nisso.

14- Obrigada por conceder esta entrevista maravilhosa e por ter sido tão solícita conosco. Por fim se fosse para colocar em uma listinha, qual a ordem de preferência dos personagens femininos e dos masculinos dos seus livros?
Aii que difícil! São todos meus filhos queridos (é um amor bem de mãe mesmo). Vou colocar com os que me identifico mais, mas gosto de todos de forma diferente, já que tratam assuntos diferentes.
Mas, vou tentar. Vou colocar dos 4 livros físicos e o da Amazon, que está completo.
Femininos: 1) Ester 2) Alice 3) Luíza 4) Lorena 5) Manuela. 
Masculinos: 1) Arthur 2) Rafael 3) Bruno 4) Benjamin 5) Nicholas.


Esperamos que tenham gostado da entrevista com a Bhya pessoal! Para saber mais sobre ela basta clicar aqui para ver o post anterior! E esperamos vocês na semana que vem para conferir o conteúdo exclusivo que Bhya preparou pra gente!
Comentários
12 Comentários

12 comentários :

  1. Oi Aninha! Não conhecia a autora, achei bem legal a entrevista. A gente que é leitor, muitas vezes não sente curiosidade pra saber como o autor teve as ideias para tal livro ou tal personagem, ou como ele escreve, o seu processo de trabalho.. Achei super legal que eles são normais como a gente, tem suas influências como nós. Super legal!


    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
  2. Ahhh Bhya! Essa maravilhosa e essa oportunidade de conhecê-la melhor foi impagável! Que ela continue arrebatando fãs pelo Brasil ♥️♥️♥️

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia a autora ou mesmo seu livro e é isso que mais gosto nesse quadro, ele nos expande os horizontes em relação a excelentes autores nacionais que temos.
    Achei super legal essa realidade dos Jogos Olímpicos que ela trouxe em seu livro, já fiquei mega curiosa para conhecer mais desse Nicholas, então vou deixar esse nome anotado, quero conferir mais da autora.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Que legal a entrevista, conhecer esse outro lado do autor é bem interessante. Ver que a mesma também sofre ao escrever junto com nós, leitores, é bem reconfortante. :)
    Saber que a autora gosta de trazer temas fortes que nos fazem refletir também é uma coisa muito boa, apesar de ser bem difícil para deglutir o destino dos personagens. Enfim, gostei da entrevista.

    Beijos
    http://ventoliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Olá amore,

    Ai que delícia esse post, amooo a Bhea ela é uma linda e parceira lá do blog também.
    Gostei das respostas dela, bem bacana sua entrevista, normalmente as minhas são diferentes.
    Gostei de conhecer um pouco mais da Bhea.
    Estou maluca pra ler Aonde quer que eu vá.. me falta din din pra comprar rsrsrs.

    Beijokas!!!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá amore,

    Ai que delícia esse post, amooo a Bhea ela é uma linda e parceira lá do blog também.
    Gostei das respostas dela, bem bacana sua entrevista, normalmente as minhas são diferentes.
    Gostei de conhecer um pouco mais da Bhea.
    Estou maluca pra ler Aonde quer que eu vá.. me falta din din pra comprar rsrsrs.

    Beijokas!!!
    www.facesdeumacapa.com.br

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    A Beatriz é bem conhecida no meio literário, mas infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler nenhuma de suas obras. Foi um prazer conhecer a autora por meio da sua entrevista 😍

    Ela gosta de HP 😍🎉
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Adoro essa coluna de vocês. Sempre podemos conhecer mais dos nossos autores.
    Quantos livros lançados hein, vou ficar ligada para conhecer mais de suas sinopses lá na Amazon.
    E espero ver algumas resenhas por aqui também.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  9. Oie!

    Não conhecia a autora e ainda não li nada dela, mas essas entrevistas são sempre ótimas para a gente conhecer mais sobre elas, seus livros, suas inspirações e enfim, sempre nos faz nos sentir mais próximos.

    Beijos
    Carol
    www.thereviewbooks.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi.

    Ainda não conhecia a autora e nem o livro. Gostei de ter a chance de conhecê -la através da entrevista. É sempre bom saber mais sobre os autores, saber mais sobre suas obras.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem?
    Menina, que entrevista mais incrível! Eu já li quatro livros da Bhya, dentre os quais está inclusive os dois de Alice e Rafael, que eu acompanhei ser publicado no Wattpad, e são lindos! Me divirto, suspiro, me emociono e choro com as histórias dela, sempre trazem temas e reflexões importantes e os personagens são muiti cativantes. Quero ler mais, com certeza! Parabéns pela entrevista maravilhosa!
    Beijos,
    Sâmmy

    ResponderExcluir
  12. Olá, ficou ótima essa entrevista! Gostei muito (especialmente de saber que não é só a gente que sofre com as histórias, a autora também não sai impune, haha). Preciso ler os livros dela logo!

    ResponderExcluir