[RESENHA] Cidade da Música #2: Allegro em Hip-Hop


Oiii seus lindos, hoje vim contar para vocês um pouquinho sobre Allegro em Hip-Hop, segundo volume da série Cidade da Música (a resenha do primeiro vocês podem conferir AQUI) da autora Babi Dewet e que foi lançado pela Editora Gutenberg. Então para saberem o que eu achei da história é só continuar lendo.

Continuamos conhecendo um pouquinho mais sobre a maior academia de música (e agora de dança) do Brasil, a academia Margareth Vilela, mas desta vez a veremos pelos olhos de Camila, uma descendente de japoneses, que tem pais extremamente rigorosos que tem grandes planos para ela e sua irmã, e isto acabou gerando uma infância repleta de cobranças fazendo com que a mocinha internalizasse que ela precisa sempre se esforçar mais, precisa melhorar mais, e que nada é mais importante do que ser a melhor bailarina de todas.

Assim nossa querida Mila (como todos a chamam) abriu mão dos mistérios e descobertas da adolescência, bem como de toda a curtição e festa com os amigos para poder se aperfeiçoar e se tornar a melhor bailarina de todas, e foi assim que ela entrou na nossa consagrada Academia Margareth Vilela.

Toda essa pressão que Mila produz nela mesma acaba gerando uma crise de ansiedade imensa, e unindo isto a presença de Vitor, um violinista desengonçado que mostra a ela que o Hip-Hop pode deixar seus dias mais coloridos, seus planos e organização acabam não se mostrando tão eficazes.

Preciso começar dizendo que a escrita da autora segue o mesmo padrão do livro anterior, o que significa que é confortável de ler e deixa uma leitura leve, que quando percebemos já lemos umas 50 páginas sem nem respirar direito. Mas não foi só o padrão de escrita que permaneceu, o padrão de construção dos personagens também permaneceu e isto me incomodou muito no decorrer da leitura, e por quê? Porque eu senti que estava vendo a Valentina e o Kim (casal do primeiro livro) por ângulos diferentes e em ramos diferentes.

A Mila é uma excelente e admirada bailarina, que se esforça o tempo inteiro para ser melhor e mostrar a família que ela é a melhor, é descendente de asiáticos, tem um transtorno e não tem mais nenhuma perspectiva de vida para além da música. Traços de personalidades estes que me remeteram muito ao Kim, então por diversas partes eu senti que a autora só mudou o sexo e o nome dos personagens, mas a base de constituição permaneceu a mesma.

O Vitor é um cara descolado, que foi meio que largado pela família, com uma mãe que troca de namorados como quem troca de roupa e um pai que não se importa com ele por ter outra família, mas ele finge não se importar com isto porque somente a música é importante para ele. E aqui temos a Valentina em um gênero diferente, e foi isto o que mais incomodou em tudo, porque eu fiquei com a sensação de que estava lendo Sonata em Punk Rock de novo, só que agora com um violino ao invés de um piano e o balé ao invés da música.

Eu gostei muito do fato de a autora ter tratado o transtorno de ansiedade na Mila, porque é um tema importante, que muita gente não liga, mas que faz total diferença para quem tem ou quem convive com quem tem. Acho muito interessante como a Babi trata os transtornos nos personagens, como ela mostra as maneiras de as pessoas conviverem com quem tem estes problemas.

Aqui nos vemos em algumas passagens menção aos personagens do livro anterior, o que eu achei legal, mas não satisfez minha vontade de saber mais sobre o que aconteceu com o Kim e a Valentina depois da ultima página de Sonata rs.

A edição está incrível, com esta capa maravilhosa e completamente apaixonante (foi o principal motivo que me fez querer ler), com folhas amareladas e uma diagramação simples e fofa que condiz muito com a história.


Então para quem gosta deste tipo de história é uma leitura muito interessante, não funcionou para mim mas pode funcionar para você, principalmente se você não tiver problema de ficar correlacionando os personagens de outras histórias, mas principalmente é uma leitura interessante se você que saber um pouco sobre ansiedade e o que ela pode fazer com a gente e sobre como a vida pode ficar mais leve quando soltamos um pouco as amarras.











Título: Allegro em Hip-Hop Série: Cidade da Música Páginas: 334| Autor(a): Babi Dewet | Editora: Gutenberg | Ano: 2018



Comentários
8 Comentários

8 comentários :

  1. Gostei de conferir sua sinceridade e falar que o livro não funcionou para você, sério, mas eu achou que seria o mesmo para mim, não curto muito o gênero e dificilmente eu iria ler esse livro, apesar de ser bastante famoso não é uma leitura que me atraia, quem sabe na próxima.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem? Eu comprei o primeiro livro dessa série, mas ainda não consegui lê-lo. Adorei tua resenha e fiquei bem curiosa para ler ambas histórias, curti principalmente saber que esse livro trata de um tema tão importante: a ansiedade. É uma pena que a história não tenha funcionado pra ti... ):

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  3. Olá Aninha, tudo bem? Tive que ler a primeira resenha para entender mais sobre o livro, porque não achei a sinopse da história e fiquei bem perdida..rs! Eu gostei mais do enredo do primeiro livro, acho que autora mudou um pouco o foco da história nessa segundo mas, nada que tire o meu interesse pela leitura. Fazia algum tempo que eu estava procurando livros que falassem sobre música de uma maneira diferente e espontânea, espero conseguir lê-los no inicio do ano que vem, porque nesse final de ano estou muito atolada de tarefas.

    Parabéns pela resenha e obrigada pela dica.
    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da sua resenha e sua sinceridade.
    Não li nada da autora, mas já tive curiosidade nos livros dela. Já tinha ouvido falar desse, mas não sabia que tinha relação com ansiedade e fiquei bem contente em saber sobre isso. Nunca li um livro que contenha ansiedade e acho extremamente importante, pois é um assunto muito importante e que muitos consideram como falta do que fazer.
    Vou colocar no topo da lista de desejados e espero gostar.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá Aninha, eu tenho bastante curiosidade de ler os livros da autora, pelos seus comentários o enredo desse parece ser bem bacana por isso é uma pena a autora ter construídos personagens tão parecidos com os do livro anterior, sem duvida isso também me incomodaria =/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Eu amei demais o primeiro volume e estou louca para ler esse segundo, não vejo a hora dele chegar aqui em casa. Eu gostei de ver um pouco mais sobre essa trama aqui na sua resenha e de ver a sua sinceridade ao contar a sua experiência com a leitura. Eu espero poder gostar, a premissa me agrada e acho que comigo pode funcionar.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Eu adoro YAs e o nosso mercado editorial tem tido ótimos escritores nesse nicho <3 Já conheço a Babi, li o primeiro livro dela há muitos anos, acabei não gostando, mas morro de vontade de dar uma segunda chance a ela, especialmente porque essa nova série parece linda <3 Acho importante falarmos de saúde mental, como também escritora, eu abordo isso nas minhas obras também, e fiquei feliz por saber que nesse livro dela o tema também é falado <3 Que pena que ele não funcionou para você, mas acontece :)

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Pelo que você falou, acredito que não teria problema nenhum em ler esse sem ter lido o outro, certo? Acho que seria até melhor pois não daria essa sensação da fórmula se repetindo, acho isso muito chato. Me interessei pela parte do transtorno de ansiedade.

    ResponderExcluir