[RESENHA] Irmãos Lancaster #1: Bruto e Apaixonado


Oiiii seus lindos, a resenha de hoje é sobre Bruto e Apaixonado, primeiro livro da trilogia Irmãos Lancaster que foi lançado pela Harlequin. Admito que me surpreendi com a história, porque esperava um romance hot daqueles que não tem nada de mais, e embora não seja uma leitura que tenha me ganhado completamente, foi uma leitura muito boa, então para conferir o que mais eu achei é só continuar lendo.

Mário Lancaster é um ex-peão de rodeio que depois de um acidente se viu obrigado a tocar a fazenda que era de seu pai no interior de Goiás. Natália Esteves é uma empresária de uma grande empresa em São Paulo que vive para demonstrar competência e potencial para o presidente da empresa, que no caso é seu pai.

O caminho dos dois, que a princípio (e no final também) são completamente opostos se cruzam quando a empresa de Natália adquire a fábrica de parafusos de Santo Cristo (cidade de Mário) e ela é enviada ao vilarejo para fazer demissões em massa, visando enxugar o quadro de funcionários da empresa de forma a facilitar sua venda futura.

A cidade está em polvorosa com a chegada da forasteira que irá destruir uma das maiores fontes de renda da cidade, é então que os moradores pedem a Mário que seduza a empresária e convença ela a mudar de ideia quanto as demissões. E é neste processo todo que a conquista passa a ser um interesse pessoal e não mais da comunidade.

No início eu achei a Natália uma patricinha mimada e sem rumo, para ser bem honesta até eu entender porque ela agia como agia (e realmente entendi e me compadeci dela) eu já tinha criado uma certa antipatia. O Mário por sua vez se mostrou só mais um peão machista que não queria soltar as rédeas das coisas.

Eu vi os dois personagens amadurecerem bastante, o Mário seguiu sendo um bruto obviamente, mas ainda assim ele aprendeu a se controlar e a aceitar que o mundo não gira em torno de sua vontade e principalmente que ele não vai ser menos homem por deixar uma mulher dividir as decisões com ele. Já a Natália viu que o mundo ia além do que ela deveria mostrar para o pai, que a vida é mais do que viver para querer agradar alguém e que ser independente não é só bater o pé e dizer que não vai se relacionar com um homem e entregar seu coração para ele porque não será controlada, ela entendeu que nem todo relacionamento tem por base o controle.

Mas o principal ponto para mim foi a família Lancaster, que é completamente apaixonante (ainda que seja permeada por alguns machismos que eu espero muito que caia por terra nos próximos volumes) os irmãos tem um relacionamento ótimo, ainda que tenham havido algumas mentiras no decorrer do caminho, mas o ponto alto desta família e do livro como um todo é a Sra. Lancaster, mãe dos rapazes e uma velhinha de humor impar, viciada em jogo e que não tem freio algum na língua, e que para mim foi a responsável pelas melhores cenas da obra (sem ofensas Mário e Nati, as cenas hots de vocês são ótimas, mas a Sra. Lancaster é a rainha deste livro).

E por falar em família, o que a do Mário tem de apaixonante, a da Nati tem de odiosa, um pai cretino e machista, um primo ambicioso e exibicionista, e uma mãe relapsa. É por conta desta família e das coisas que decorreram dela que eu não consegui me apaixonar completamente pelo livro, porque eu esperava muito mais do enfrentamento da Nati com o pai, acho que o Sr. Esteves merecia demais ouvir várias verdades pra ver se ele entendia que nem todas as mulheres eram iguais e que a filha dele não era qualquer uma, que ele tivesse a verdade da competência e inteligência da Nati esfregadas na cara dele. A parte do enfrentamento deles foi ok, mas eu esperava bem mais.

Outro ponto que foi negativo, porque em geral isto me incomoda muito, foi o romance relâmpago, obviamente eu me encantei pelo casal e pela química deles, que é um ponto inegável, adorei mesmo as coisas que eles viveram e claramente adorei as cenas hots deles, mas eles se envolveram por 7 dias ( sim, somente sete dias) e dai em 15 dias eles já estavam vivendo felizes para sempre, mesmo para um livro curto eu acredito que dava para trabalhar melhor esta passagem de tempo de forma a não parecer que o relacionamento teve toda a confiança baseada no amor a primeira vista, ainda que ele tivesse sido o ponta pé inicial, não acho que 15 dias são o suficiente para o amor eterno durar.

Quanto a edição, eu adorei a capa e achei uma representação sensacional de como o Mário é descrito em diversas cenas. As folhas são amareladas, com diagramação simples e uma fonte maravilhosa para a leitura, mas infelizmente encontrei alguns erros de revisão que me incomodaram, ainda que não tenham me impedido de concluir a leitura.

É um livro muito gostosinho de ler, a escrita da autora é bem fluida e cativante, o que facilita para ignorarmos alguns pontos e apreciarmos outros, é um livro divertido e com alguns momentos de superação bem interessantes e que admito até fizeram uma lágrima escorrer, então é uma leitura despretensiosa, para tirar de uma ressaca talvez ou simplesmente para quem quer algo leve para distrair a mente.










Título: Bruto e Apaixonado Série: Irmãos Lancaster Páginas: 255 | Autor(a): Janice Diniz | Editora: Harlequin | Ano: 2018


Comentários
12 Comentários

12 comentários :

  1. Tudo bem?
    Eu não conhecia o enredo e consegui captar bastante da história através das suas impressões.
    Não ando lendo muito, então quando sobra tempo e vontade, estou investindo em algumas leituras de contos. Esse livro não me chamou atenção. Eu também não gosto desses amores instantâneos que vira e mexe acho em um livro ou outro.
    Que bom que ainda assim você conseguiu achar pontos que te agradam.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Esse não é o meu estilo de leitura, então eu passo a dica. Mas achei a sua resenha bem completa e gostei das ressalvas que você fez na história, também seriam coisas que me incomodaria caso eu lesse.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura | Instagram

    ResponderExcluir
  3. Oi, Aninha.
    A história pareceu interessante, mas também não sou fã daquilo que passei a chamar de Romance Miojo (joga água quente e tá pronto em 3 minutos! Rs...). Fica meio difícil de engolir... E achei uma pena que a família terrível da garota não teve tudo o que merecia!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  4. Oi Aninha!
    Você já leu da Janice Os Cowboys de Santa-fé? Eu os adoro, são os primeiros brutos, kkk.
    Ainda não li Irmãos Lancaster, mas pretendo ler, vou colocar na minha lista, parabéns pela resenha foi bem sincera e completa, obrigado pela dica. Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Oi! Eu sempre que fico com uma dúvida quando leio alguma resenha deste livro, porque uma amiga leu e achou meio que bem fraco, por causa do romance relâmpago e pela maneira que a autora colocou a cidade e os moradores do interior. Ela disse que ficou meio caricato e isso incomodou a leitura. Mas eu não digo que não vou ler, posso dar uma chance para esses cowboys.. Obrigada pela dica!

    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  6. Oi Aninha!
    Amei a sua resenha!
    Uma pena que este tipo de leitura não me agrade muito. Acabo não me envolvendo com a história quando aparece o romance relâmpago, no final eu sempre acabado achando o casal forçado.
    O livro possui alguns outros pontos que parecem compensar esse datalhe, mas deixo a leitura para uma próxima vez.
    Irei recomendar para algumas amigas que com certeza irão amar!
    Beijos
    FLeituras

    ResponderExcluir
  7. Olá, Aninha!

    Este foi um dos melhores livros que a Harlequin publicou no ano passado e olha que não sou fã de romance erótico. Não dava nada por esta história e ela me surpreendeu demais. Claro que as cenas hots não me agradaram muito (explícitas demais e com palavreado desagradável), todavia o livro como um todo me envolveu e torci muito pelo casal. Não achei o Mário machista. Na minha opinião, ele tentava ser, mas respeitava mais as mulheres do que qualquer outro personagem no livro e se importava de verdade com a Nati, os sonhos e a independência dela. Seus irmãos sim parecem bem machistas e não sei como será a história deles. Espero que eles amadureçam.

    Também queria um enfrentamento maior entre a Nati e o pai. Porém, a verdade é que eu penso que nada o faria mudar. Ele era um homem ruim e disposto a seguir assim até o dia de sua morte. Tem gente que não muda. E não adianta lutarmos por isso. O melhor é seguir em frente como a protagonista fez e deixar quem lhe faz mal no passado.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Romances relâmpagos me incomodam muito também hahaha Talvez eu seja uma anti romântica e não acredite nesse amor súbito, mas acho que foge um pouco da realidade. Essa leitura, apesar disso, está na minha lista de leitura há um bom tempo, eu quero ler justamente por parecer ser una leitura despretensiosa e gostosa.

    Traveling Between Pages

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro ainda, mas acho que não é o tipo de leitura que me agrada. Para começar, que nunca curti muito esses livros com mocinhos machistas e mandões. Mesmo que ele mude ao longo do livro, é uma coisa que sempre me irrita e faz com que eu não consiga torcer pelo casal. Outra coisa que certamente eu não iria gostar é esse relacionamento relâmpago, porque é o tipo de coisa que não me convence.
    Fico feliz que, apesar das ressalvas, você tenha gostado da leitura. No entanto, mesmo tendo adorado sua resenha, vou passar a dica dessa vez.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Oi, eu também já li esse livro e a mãe do Mario rouba mesmo a cena, a personagem é maravilhosa, haha. Também gostei de ver a evolução, a mudança que tem nos personagens principais.

    ResponderExcluir
  11. Olá Aninha,
    também me compadeci da Natália por sua história de vida e por sua relação com o pai. Nossa, que raiva que tive daquele homem, a forma que ele tratava a própria filha é de dar nojo. Também fiquei feliz em ver a evolução de ambos os personagens e apaixonada pela família dele, tanto que mal posso esperar pela história dos outros irmãos.

    Abraços!
    Nosso Mundo Literário

    ResponderExcluir
  12. Oiee Aninha ^^
    Mesmo sabendo que as personagens amadurecem ao longo da história, eu não teria saco pra personagem machista que só quer conquistar por interesse próprio (ou dos outros). Sou mais aqueles personagens que já sabem respeitar o próximo e não agem como idiotas...haha'
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas confesso que a premissa não me chamou a atenção; não é o tipo de romance que me chama a atenção.
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir