[RESENHA] Filhos do Acordo #3: Ithori


Oii seus lindos, desta vez eu não demorei tanto (menos de um ano é pouco como percebemos anteriormente) e trouxe para vocês a resenha de Ithori, terceiro volume da série Filhos do Acordo, da nossa parceira Thais Lopes. Juro que vou tentar falar sem muitos spoilers sobre a história em geral, mas pode ser que eventualmente algo escape, porque tanto o Ithori quanto a Suelen são velhos conhecidos das obras anteriores, mas sem prolongar demais, vamos ao que realmente interessa né?

Suelen é uma terráquea mercenária, conhecida por nós desde o primeiro livro. Hoje uma mulher forte e que não se assusta mais com as coisas que os aliens são capazes de fazer, mas há 6 anos atrás quando ela foi abduzida e levada para o mercado de terráqueas (aquele velho conhecido mesmo, que eles estão tentando derrubar desde o primeiro livro) ela era mais uma mulher assustada, diferente de agora, em que ela faz o que for necessário para sobreviver no Acordo (considerando sua condição humana).

As coisas estavam indo relativamente bem para Suelen (depois de todos os problemas que ocorreram em Kernos, e que ela acabou deixando o único lugar no acordo em que realmente se encaixava) até que um agente do Corpo Militar começa a caçá-la, e não estamos falando de qualquer agente, estamos falando de Ithori, aquele mocinho lindo que conviveu por anos com Suelen, a primeira “pessoa” do Acordo em quem ela confiou, aquele por quem ela quase (ou não tão quase assim) se apaixonou e que mentiu para ela durante todo o tempo em que estiveram em contato.

Ithori e Suelen se conheceram quando ambos estavam sendo vendidos como mercadoria, ela por ter sido abduzida e ele, porque era um agente do governo infiltrado. E depois de tudo o que se passou entre eles, e de tudo pelo que Suelen teve de passar por causa dele nos livros anteriores, ela se vê obrigada a trabalhar com Ithori para poder realizar seu objetivo, mas principalmente porque ele não deixa escolhas a ela: ou trabalha com ele, ou vai ficar presa, já que depois de 6 anos no Acordo, ela não pode mais ser enviada para a Terra.

As coisas poderiam correr tão tranquilas quanto uma missão em busca de informações que podem acabar com o comércio de mulheres pode ser, mas Ithori não vai deixar por isto mesmo e está mais do que disposto a ficar por perto de Suelen, ainda que ela não saiba se quer esta aproximação, já que em tese agora ela odeia ele (mas sabemos como amor e ódio caminham juntos, né?). O que os resta agora é concluir a missão que lhes foi designada e depois disto tentarem entender o que realmente existe entre eles.

Vamos começar com esta missão que foi babado, confusão e gritaria kkkk Gente, eu já esperava que pelo nível e pela importância da missão nós teríamos cenas bem dinâmicas e com muita ação, mas não estava tão preparada assim para todas a situações, o que foi uma grata surpresa e com toda a certeza deixou a leitura bem fluida e rapidinha (porque a gente fica no desespero de saber o que vai acontecer a seguir e ai não dá para parar de ler).

Este livro serviu também para reafirmar uma suspeita que eu tenho desde o primeiro livro: Ithori tem a síndrome do herói. Gente, ele tem uma necessidade quase biológica de se enfiar nas situações mais idiotas (porque nem sempre ele era necessário) para poder bancar o herói, e aí a gente sente na pele a raiva e o desespero da Suelen, porque ele acha que sempre vai conseguir salvar o dia e sair de boa, até que as coisas possam dar muito errado.

A Suelen é a terráquea a quem eu menos me apeguei, eu não sei se é porque eu já conhecia ela, ou porque em alguns momentos eu achei ela extremamente irritante e com atitudes idiotas, porque ela insiste em fingir (principalmente para ela mesma) que não sente mais nada pelo Ithori, principalmente depois de ele ter (Agora vem um Spoiler dos livros anteriores) usado ela e por consequência ela acabou em uma realidade que não era a que estava acostumada e tendo que se virar, eu realmente entendo isto e em alguns momentos queria mesmo que ela desse umas porradas no Ithori, mas tinha hora que ela mentia tanto para ela mesma que era irritante.

A forma como é o reencontro do casal principal é interessante, e mesmo tendo ficado bem irritada com eles em algumas cenas eu gostei muito de como o relacionamento deles se reestabeleceu, de como o Ithori decidiu que não ia mais perder a Suelen (porque eles viveram muitos anos juntos) e de como ela depois de diversos momentos se deu conta de que nunca conseguiu esquecer ele, mas acima de tudo, gostei da forma como eles trabalharam juntos na missão para tentar dar um fim ao mercado de mulheres.

O que nos leva a uma nova descoberta no fim do livro, que me deixou completamente desesperada para ler o próximo volume e descobrir o que vai acontecer com os mercados e se a força tarefa vai realmente conseguir erradicar esse comercio de pessoas (dentre outros kkk).

A edição está maravilhosa, eu amei as cores da capa, ficaram mais fortes do que as edições anteriores e acabou ressaltando mais os detalhes, a diagramação segue o mesmo padrão maravilhoso com os capítulos iniciando com um padrão galáctico e detalhes em algumas páginas, as folhas são amareladas com fonte adequada o que também deixa a leitura mais rápida, e não achei erros de revisão.

É um livro que possui algumas cenas hot, mas não tantas, principalmente porque aqui temos um casal que passou mais de 3 anos separado e que agora começam a se reencontrar, o maior foco aqui é a reconciliação deles e a busca por informações que podem acabar com o tráfico de seres que não fazem parte do Acordo, assim a leitura é bem rápida porque a gente fica desesperada pra saber o que eles vão descobrir e se vão conseguir, e agora preciso muito ler Dravos, para saber como as coisas vão transcorrer, e quando descobrir venho aqui contar para vocês.









Título: Ithori Série: Filhos do Acordo Páginas: 234 | Autor(a): Thais Lopes  
  | Editora: Senhor da Lenda | Ano: 2017


.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário